2.10.11

Diamanda

Depois de ter derrotado Baco, Diamanda - uma aranha-tigre (Argiope bruennichi) com cerca de sete centímetros - é quem reina agora nos meus jardins.
 
 

28.9.11

A (outra) Ilha das Flores.


Deixei-me comover por esta curta-metragem/documentário que desconhecia até a minha querida amiga A. a postar na sua página do FB.
Escrito e dirigido por Jorge Furtado em 1989 (em tempos em que eu ainda nada sabia sobre tele-encéfalos altamente desenvolvidos e polegares opositores), este trabalho é sobre a humanidade do Homem e as suas relações com o Outro e o Lugar.



26.9.11

Ezequiela, a humanidade.

Perdita, The Monster in the Night of the Labyrinth
Um certo moço apaixonou-se por uma moça, de cujo nome Ezequiela. O jovem se designava de Jerónimo. Foi amor de anel e altar. Em prazo fulminante ajuntaram destinos, ele e ela, os dois e ambos.
Até que certa manhã Jerónimo acordou e deparou com outra mulher em seu leito. Era uma branca, de longos cabelos loiros. Ele cismalhou: quem é esta? Onde está minha mulher? E chamou:
- Ezequiela!
A moça branca despertou, assustada com o grito, e respondeu:
- Que foi, meu amor?
E ele: que meu amor, que meio amor. Afinal, quem era ela e como se explicava ali, em pleno leito de outrens?
- Mas eu sou Ezequiela. Sou a sua mulher, Jerónimo.
Ele riu-se, incapaz de tudo.
- Como, se você é branca retinta e minha mulher é negra? Como, se os cabelos...
- Se acalme, Jerónimo: eu lhe explico.
E explicou. Que ela era assim mesmo, mudava de corpo de cada vez em quando. Ora de um tamanho, ora de uma cor. E ora bela, ora feia. Actualmente, branca e posteriormente, negra. Que ela se convertia, vice-versátil.
- Você me ama, assim como sou?
- Como você é, como?
O problema sendo mesmo esse, o da identidade exacta dela mesma, a autenticada Ezequiela. E ele, pesaroso, meneou a cabeça:
- Não posso. Você não é aquela que eu casei.
Ezequiela lhe propôs então que, simplesmente, eles se deixassem em vida de casal, por baixo de um igual tecto. E que deixassem vir o porvir. E assim foi. De modos que ocorreu que, uma noite, Jerónimo tricotou seus dedos pela seda dos cabelos dela. E os dedos se deliberaram por mais corpo dela, até se atreverem por áreas recatadas. E se amaram e, de novo, recomeçaram o enlace.
Já se habituara ao desbotado dela, à lisura de seus cabelos, quando uma noite Ezequiela acordou esquimó, peles amareladas, olhos repuxados em ângulo e esquina. E, numa outra vez, ela se indianizou, pele aperdizada, cabelos azevichados.
Mas, estranhamente: ela sempre ela, sempre Ezequiela. E Jerónimo a foi aceitando, transitável mas intransmissível. No início, lhe custava esse acerto e reacerto. Mas depois até encontrou gosto nesse jogo de reencorpagem. E amava todas as formas, volumosas, translíneas, tamanhosas ou reduzidas. Até dava jeito: ele era o polígamo mais monógamo do universo.
Até que certa vez despertou a seu lado um homem, barbalhudo e provido de músculo. Jerónimo sacudiu-se todo, como se se limpasse de contaminação: dormira com tal homem? Que mais partilhara com o intruso?
- Não se atrapalhe, querido. Sou eu, Ezequiela. Sempre sou eu.
Mas o facto é que Jerónimo se desengendrou. A sua mulher: um homem? Já se vertera em branca e em preta, baixa em alta, tudo isso, sim. Mas sempre mulher. Ezequiela o tentava sossegar mas ele, de perna atrás. Até que espreitou a esposa na casa de banho. Seria ela, integralmente, um ele? E, estremecimento geral: era mesmo. Após uma tarde em silêncio, Jerónimo veio às falas:
- Desculpe, mas agira é de mais. Enquanto você for Ezequiel eu fico fora...
E saiu, sem armas nem bagagens. Dormiu sabe-se onde, comeu ao deus-dará. Uma noite, porém, ele se sentiu doente, mais quente que fogo. Em delírio se achegou a casa e deparou ainda com a esposa em fase de macho. Ela o amparou em seus braços fortes e o trouxe para dentro. Ele resistiu, tenso e afastado tanto quanto a conveniência. Ela o depositou no leito e lhe trouxe toalha fresca e uma aguinha benigna. Aos poucos, o marido amoleceu. E quando sentiu os lábios de Ezequiela lhe beijando a testa até lhe veio um gosto de adormecimento. E se abandonou mesmo estranhando um raspar de barba em seu pescoço.
No dia seguinte, Jerónimo despertou reanimado e se olhou no espelho. Estranhou a assimetria entre gesto e reflexo. Não era espelho afinal: do outro lado da moldura era um outro trajando seu próprio corpo. Quem estava ali, nu, diante de si, era ele mesmo. Trémulo, Jerónimo avançou a pergunta:
- Ezequiela?
E a voz, proveniente do outro, se espantou, devolvendo outra inquirição:
- Como Ezequiela? Você, Ezequiela, não reconhece o seu marido?'


Mia Couto, em 'Na berma de nenhuma estrada'

24.9.11

palabras para Julia


... Nunca te entregues ni te apartes
junto al camino, nunca digas
no puedo más y aquí me quedo. 
La vida es bella, tú verás...

 *

Haverá melhor maneira de começar um Sábado à noite? . NO.

Primeiras folhas

Por mim, e por vós, e por mais aquilo
que está onde as outras coisas nunca estão,
deixo o mar bravo e o céu tranqüilo:
quero solidão.

Meu caminho é sem marcos nem paisagens.
E como o conheces? - me perguntarão.
- Por não ter palavras, por não ter imagens.
Nenhum inimigo e nenhum irmão.

Que procuras? Tudo. Que desejas? - Nada.
Viajo sozinha com o meu coração.
Não ando perdida, mas desencontrada.
Levo o meu rumo na minha mão.

A memória voou da minha fronte.
Voou meu amor, minha imaginação...
Talvez eu morra antes do horizonte.
Memória, amor e o resto onde estarão?

Deixo aqui meu corpo, entre o sol e a terra.
(Beijo-te, corpo meu, todo desilusão!
Estandarte triste de uma estranha guerra...)
Quero solidão.

Despedida, de Cecília Meireles


23.9.11

Das borboletas do estômago

O meu primeiro post desta 'nova era' tinha que ser algo bem meu, bem pessoal, bem saboroso!
video 
O vídeo é uma participação no programa Prove Portugal que aconteceu no passado Sábado (dia 17), na RTP1.
O projecto musical chama-se FADO MADRINHO e o tema ' O Fado das Borboletas do Estômago', com letra e música de Frederico Madeira, interpretado por Paula Costa, acompanhada por Jerry Sousa na Viola da Terra e Pedro Correia (convidado) no violão.
Espero que a musiquinha vos saiba tão Bem quanto a mim! 

sobre o regresso

Tanto tempo depois deu-me para regressar à blogosfera. Não sei bem porquê. Sei que foi, primeiro, porque a conta não foi cancelada, e segundo porque me deu muito prazer reencontrar-me aqui, reencontrar-me com a(s) minha(s) vida(s) dos meados do ano de 2007 até 2009. Souberam-me estranhamente bem as memórias. Foi terapêutico. É que eu, mais que bloguista sou um gajo que gosta de sublimar e depois da coisa tar resolvida: acabou! tudo prás suas casas que esta gente quer-se deitar!» 
Seja como for, regresso. Regresso porque sim, porque neste preciso momento quero. Regresso com outras cores, com uma nova perfiláxia - uma roupinha nova para a ocasião.
Este post é para mim, o Fred de hoje, e para o Fred que existiu entre 2007 e 2009. É para os meus seguidores (não consigo dizer esta palavra sem uma pontinha de desconforto), para os meus amigos, para os meus amores e para um ou outro anónimo que por aqui tropece. 
Seja bem-vindo! Sejam bem-vindos!